Filmes em Exibição

Voltar
2+2 de João Sousa Cardoso
2+2
Portugal - Data de estreia: 28-11-2019

Estou habituado a trabalhar em colectivo, tanto no teatro como no cinema, mas 2+2 foi um filme realizado em solidão. O José Mário Branco foi a voz que me guiou. Nunca nos conhecemos mas o tour de force que é o FMI acompanha, neste filme, a vaga dos trabalhadores que pelo frio da manhã vemos chegar, já cansados, à grande cidade. Em reposta, a Ana Deus canta Eu vim de longe. É do Portugal de hoje que falamos e do que há a fazermos juntos. 2+2 teve estreia no Jeu de Paume, em Paris, a 18 de abril de 2008. Esta sessão especial é dedicada a José Mário Branco.

João Sousa Cardoso

 

Biografia do realizador:

Doutorado em Ciências Sociais, pela Universidade Paris Descartes (Sorbonne).
Desenvolveu, em 2015, a criação TEATRO EXPANDIDO! no Teatro Municipal do Porto.
Em 2014, criou MIMA-FATÁXA, a partir de Almada Negreiros, coproduzido pelo Maria Matos Teatro Municipal, Teatro Viriato, Centro Cultural Vila Flor, Teatro Municipal da Guarda e Teatro Virgínia. Criou ainda os espetáculos Raso como o Chão (2012) no Teatro Nacional São João, no Porto, A Carbonária (2008), com estreia no Teatro Municipal de Bragança, e O Bobo (2006), com apresentações nas Universidades de Paris 3, Paris 4, Paris 8 e Paris 10 e estreia nacional no Teatro Taborda, em Lisboa. Autor dos filmes Cinema Mudo (2006) e 2+2 (2008), estreado no Jeu de Paume, em Paris. Realizou os filmes Baal a partir de Bertolt Brecht (2013), A Ronda da Noite a partir de Heiner Müller (2013) e A Santa Joana dos Matadouros a partir de Bertolt Brecht (2014). Artista em residência na Fondazione Pistoletto (Itália), em 2002, e em Expédition – Plateforme Européenne d’Échanges Artistiques, a convite dos Laboratoires d’Aubervilliers, nas cidades de Amesterdão, Viena e Paris, entre 2007 e 2008. Integrou a exposição Às Artes, Cidadãos!, no Museu de Serralves, em 2010.
Realizou, com André Sousa, o filme Na Selva das Cidades, rodado em São Paulo (Brasil), produzido pela Casa do Povo com o apoio da Fundação Manuel António da Mota.