Notícias

Voltar
 
12-02-2020

Programação - Teatro Campo Alegre - 13 Fevereiro a 11 de Março

Na semana de programação que tem início esta quinta-feira, 13 de Fevereiro, e se prolonga até ao dia 19 de Fevereiro, iremos repor, nos finais de tarde, o filme PARASITAS, que, desde a Palma de Ouro em Cannes, fez um extraordinário percurso. Aplaudido pela crítica, bem recebido pelo público que acorreu a vê-lo, no passado domingo, de forma surpreendente, foi o grande vencedor dos Óscares, levando para casa 4 estatuetas, nas categorias mais importantes: Melhor Filme, Realizador, Argumento Original, e Filme Internacional. É tempo de o (re)ver.
 
À noite (e aos sábados e domingos no início da tarde), propomos vários filmes, em sessões únicas e especiais, a saber:
 
Já nesta quinta-feira, PLAYTIME, a obra-prima entre as obras-primas de Tati, o filme onde o cineasta, como ele próprio afirma, pôs tudo o que sabia, tudo o que podia e tudo o que sonhava. Esta sessão, que assinala e reedição da caixa DVD Obra Integral de Jacques Tati, versões restauradas (sortearemos uma caixa pelos espectadores presentes), será apresentada pelo Arqº João Rapagão.
 
Na sexta-feira, 14 de Fevereiro, às 21h30, exibiremos, pela primeira vez no Porto, numa sessão única e exclusiva, o novo filme de um dos mais importantes realizadores franceses da actualidade: A CRIANÇA ZOMBIE, de Bertrand Bonello. O filme, que será comentado pelo artista e curador José Maia, e teve a sua estreia internacional na Quinzaine des Réalisateurs na última edição do festival de Cannes, faz brotar, como escreveu a Positif, uma perturbadora poesia dos lugares insólitos. O filme passa-se entre a França de hoje e o Haiti de 1962, e Bonello explicou a Cláudia Sobral, para o jornal i, que tudo começou há uns 15 anos quando se cruzou com a história de Clairvius. “A história ficou-me na cabeça e, há um ano e meio, quando comecei a pensar em fazer um filme de forma diferente, talvez num lugar que não fosse Paris, esta ideia regressou-me à memória. Era uma história que me interessava por vários aspectos: primeiro, a ideia de pegar numa figura tão conhecida, quase uma figura pop, que é o zombie e levá-la de volta às suas origens e, através desse movimento, fazer uma evocação sobre a escravatura e o colonialismo. E através do cinema de género, fazer um statement político sobre a relação entre França e o Haiti e entre França e o colonialismo em geral”. A não perder. Mesmo.
 
No sábado, 15 de Fevereiro, é dia de últimas oportunidades: teremos, às 15h30, mais uma sessão do filme OS FILHOS DE ISADORA, de Damien Manivel, onde quatro mulheres se cruzam com o solo “Mother”, que a “fundadora” da dança moderna, Isadora Duncan, criou na sequência da morte dos seus filhos, Deirdre e Patrick, num acidente de automóvel. Um filme que se deixa impregnar pelo espírito de Isadora Duncan, como escreveu Francisco Ferreira, no Expresso (★★★★); e PJ HARVEY – A DOG CALLED MONEY, de Seamus Murphy, um filme sobre “o acto de criação” da cantora, que deu origem a um livro de poemas e fotografias, o álbum Hope Six Demolition Project, e, agora, este belíssimo filme.
 
No domingo, 16 de Fevereiro, é tempo de, em duas sessões, revisitarmos um dos grandes filmes portugueses de 2019: A HERDADE, de Tiago Guedes, que depois da selecção oficial em competição no festival de Veneza, onde há década e meia não estava um filme português, do festival de Toronto e muitos outros festivais, já ultrapassou os 80 mil espectadores nas salas portuguesas. É um filme que fala da nossa história recente, um filme que fala de nós. Com um elenco de eleição.
 
Na segunda-feira, 17 de Fevereiro, outro dos grandes filmes portugueses de 2019: VITALINA VARELA, de Pedro Costa, vencedor em Locarno do Leopardo de Ouro para o Melhor Filme e do Leopardo de Prata para a Melhor Actriz, Vitalina Varela.
 
Na terça-feira, 18 de Fevereiro, mais uma obra-prima em versão digital restaurada. NOSTALGIA, de Andrey Tarkovsky, a assinalar também a reedição da caixa DVD da obra integral do realizador russo. Este é o filme que acabaria por marcar a separação física do realizador com a Rússia, dando início ao seu exílio. Conta o seu filho, Andrey A. Tarkovsky: “ao ver o filme, depois da montagem, ficou impressionado com as cores escuras, os cinzentos, que não eram intencionais mas que espelhavam bem o seu estado de espírito, as suas dúvidas sobre o regresso/não regresso”.
 
E, por fim, na quarta-feira, 19 de Fevereiro, mais uma última oportunidade, agora para ver o mais recente filme do francês François Ozon, GRAÇAS A DEUS, que em França fez mais de um milhão de espectadores. Inspirado em factos reais (os casos Preynat e Barbarin) que se passaram na cidade de Lyon e que levaram um cardeal a ser acusado na justiça, por ter encoberto um padre acusado de pedofilia, com sublimes interpretações de Melvil Poupaud, Éric Caravaca e Bernard Verley e um elogio generalizado da crítica, GRAÇAS A DEUS é “um enorme filme político, interrogando a sociedade, e um retrato justo de homens frágeis mas nunca fracos. (Pierre Charpilloz, Band à Part ★★★★★).
 
Nas semanas seguintes estrearemos aqueles que serão, para nós, os melhores filmes em cartaz (ver em baixo).
 
Não se esqueça de que, aderindo ao Tripass (consultar a bilheteira do TCA), poderá ver todos estes filmes com desconto.
 
Bem vindo/a ao Teatro Campo Alegre!

............................................................................................................................................................

Programa:
 
13 a 19 de Fevereiro
PARASITAS
, de Bong Joon-ho
OSCARS 2020: Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Filme Internacional, Melhor Argumento Original.
Todos os dias às 18h30
 
Quinta, 13 Fev
21h30, PLAYTIME, de Jacques Tati
Cópia digital restaurada
Apresentado por João Rapagão
 
Sexta, 14 Fev
21h30, A CRIANÇA ZOMBIE, de Bertrand Bonello
Sessão única. Comentado por José Maia
 
Sábado, 15 Fev
15h30, OS FILHOS DE ISADORA, de Damien Manivel
Projecção seguida de conversa.
 
21h30, PJ HARVEY: A DOG CALLED MONEY, de Seamus Murphy
 
Domingo, 16 Fev
15h30 e 21h15, A HERDADE, de Tiago Guedes
 
Segunda, 17 Fev
21h30, VITALINA VARELA, de Pedro Costa
 
Terça, 18 Fev
21h30 NOSTALGIA, de Andrey Tarkovsky
Cópia digital restaurada
 
Quarta, 19 Fev
21h30, GRAÇAS A DEUS, de François Ozon
 
20 a 26 de Fevereiro
Estreia Nacional
OS MISERÁVEIS, de Ladj Ly
Todos os dias às 18h30 e 22h (sábado e domingo também às 15h30)
 
27 de Fevereiro a 4 de Março
Estreia Nacional
RETRATO DE UMA RAPARIGA EM CHAMAS, de Céline Sciamma
Todos os dias às 18h30
 
Estreia Nacional
VIDAS DUPLAS, de Olivier Assayas
Todos os dias às 22h00 (sábado e domingo também às 15h30)
 
5 a 11 de Março
Estreia Nacional
MOSQUITO, de João Nuno Pinto
18h30 e 22h (sábado e domingo também às 15h30)