Éric Rohmer, ou o Génio do Moderno Cinema Francês: 2º Capítulo — Teatro Campo Alegre

07.10 27.10

Teatro Municipal Campo Alegre - Porto

A série “Comédias e Provérbios”, que veremos neste 2º capítulo do grande ciclo “Éric Rohmer, ou o génio do moderno cinema francês”, é um conjunto mais livre do que o era a série dos “Contos Morais”. Cada um dos filmes ilustra uma citação tomada de empréstimo da literatura clássica, ou um provérbio da sabedoria popular, sempre colocados como epígrafe. E se os “Contos” eram, digamos, mais abstractos, as “Comédias” são, como escreveu Hervé Aubron (Rohmer et les autres, 2007), o melhor dos retratos dos anos 1980. A sua rodagem, e estreia, coincidem com a década (A Mulher do Aviador data de 1981 e O Amigo da Minha Amiga, o filme que a encerra, de 1987). A série seguinte, que veremos mais tarde, os “Contos das Quatro Estações”, começou Rohmer a rodá-la já nos anos 90.


Aquilo que o atraía e que ele tira desta época (ainda Aubron) era a sua consistência plástica, a sua forma e textura, que já estavam presentes na sua concepção de cinema (“Foi o lado mais brilhante das cores que me seduziu”, disse) e que o seu director de fotografia, Néstor Almendros, aproveitou ao máximo. Cartas de amor a Paris e às suas ruas (A Mulher do Aviador, ou o filme manifesto, como lhe chamou Olivier Père, da Paris-anos-80, Noites de Lua Cheia, onde mostrou como sabia captar modas e tendências do momento, incluindo a banda sonora de Elli et Jacno); viagem pela utopia arquitectural da nova cidade de Cergy (O Amigo da Minha Amiga). E depois temos as obras-primas Pauline na Praia, com as cores de Matisse (vemos no quarto a reprodução de “A blusa romena”; estas reproduções, em cartazes ou postais, estavam na altura na moda como motivo decorativo, e vemo-las em vários dos filmes da série - cartazes de Millet e Magritte n’O Bom Casamento, ou de Mondrian, nas Noites), e O Raio Verde, “a obra mais mágica que os anos 80 me deram”, como João Bénard da Costa escreveu (Os Filmes da Minha Vida, Os Meus Filmes da Vida, 2º vol.).


Esta série foi não só uma mudança de signo, mas também a da afirmação de muitas das actrizes e de muitos dos actores que trabalharam com o realizador, verdadeiras estrelas da constelação rohmeriana: Marie Rivière, Anne-Laure Meury, Béatrice Romand, Arielle Dombasle, Pascale Ogier, Rosette, Emmanuelle Chaulet, André Dussollier, Fabrice Luchini, Pascal Greggory…

27.10.2021
quarta-feira
18:30
  1. Noites de Lua Cheia

    de Éric Rohmer
    Cópia Digital Restaurada
    • 1984 | 
    • 1h 41min | 
    • Cópia Digital Restaurada | M/12
    Tchéky Karyo, Fabrice Luchini, Pascale Ogier
27.10.2021
quarta-feira
21:30
  1. O Raio Verde

    de Éric Rohmer
    Cópia Digital Restaurada
    • 1986 | 
    • 1h 39min | 
    • Cópia Digital Restaurada | M/12
    Marie Rivière, María Luisa García, Béatrice Romand, Vincent Gauthier