Oxalá

de António-Pedro Vasconcelos

com Manuel Baeta Neves, Marta Reynolds, Laura Soveral, Judite Maigre

  • Oxalá | 
  • 2h 11min | 
  • M/12 | 
  • 1980 | 
  • estreia 08.05.1981

sinopse

Primeiro filme produzido por Paulo Branco, presente na selecção oficial do Festival de Veneza em 1980, Oxalá é o terceiro filme de ficção de António-Pedro Vasconcelos.


Cópia Digital Restaurada, 4K

  • 1980 | 
  • Drama | 
  • Longa-metragem | 
  • 2h 11min | 
  • M/12 | 
  • Portugal

estreia 08.05.1981

crítica e imprensa

  • Oxalá é provavelmente a revelação mais importante do festival de Veneza, fazendo surgir um novo realizador com ideias e originalidades. O filme revela do princípio ao fim um realizador com um talento invulgar.

    • Thomas Quinn Curtiss, Herald Tribune
  • Oxalá é um filme notável.

    • Lino Miccichè, Avanti
  • Oxalá é de facto o melhor que nos chegou de Lisboa nos últimos anos e talvez o ponto de partida para um cinema português.

    • Giovanni Grazzini, Corriere della Sera
  • OXALÁ – um reencontro… É, porventura, o primeiro filme depois do 25 de Abril a falar, sem os estereótipos conservadores do chamado cinema militante, de nós mesmos e das nossas realidades. Marta Reynolds revela-se uma presença rara no cinema português…

    • Augusto M. Seabra, Diário de Notícias
  • Duma ‘naiveté’ desconcertante. Este esforço de Portugal no sentido de um cinema de vocação internacional, é de encorajar…

    • France Soir
  • Um estilo peculiar que lhe confere uma grande dignidade…

    • Paese Sera
  • Um filme rodado com uma sensibilidade culta, que se ‘lê’ como as páginas de um romance.

    • Il Giornale
  • OXALÁ impõe-se como obra artística amplamente original, marcado por um domínio dos instrumentos expressivos - tanto cinematográficos, como literários – duma extrema e eficaz sugestão.

    • L’Unità
  • Vibra no filme uma melancolia desprendida, um cepticismo lúcido, que torna as imagens, simples e requintadas.

    • Il Messaggero
  • É um filme sobre a esperança e desilusão de uma revolução ‘não acabada’ sobre os ‘se’ e os ‘mas’ de cada um de nós. 

    • Il Mattino
  • O único testemunho cinematográfico de ficção sobre o Portugal de depois do 25 de Abril, e, particularmente, sobre as ilusões e apostas frustradas de toda uma geração…

    • Vicente Jorge Silva, Expresso

ficha técnica

Manuel Baeta Neves

Marta Reynolds

Laura Soveral

Judite Maigre

Lia Gama

Ruy Furtado

Karen Blangueron

Teresa Madruga

Adelaide João